martes, 19 de junio de 2018

A Geografia escolar em Brasil: notas para um debate


Adjuntamos reflexiones sobre el  I Colóquio Internacional de Educação Geográfica de Roberto Marques.

https://drive.google.com/open?id=1JrslK4Mi1Icmq1rzLc-DHa-VwzvXkYw-

7 comentarios:

  1. O texto explicita as tensões vivenciadas na formação de professores de geografia, bem como na formação de professores de forma geral no Brasil. Essas tensões, tem sido provocadas pelas reformas do ensino em nosso país, tais como: nova Base Nacional Comum Curricular, as mudanças no ensino médio e as exigências para atingir melhores notas em índices como IDEB.
    O texto provoca a pensar em interrogações, como por exemplo: formar professores que instrumentalizem seus alunos para atingir notas satisfatórias na prova Brasil e assim aumentem o IDEB? Ou formar professores que estejam preocupados com construção de uma leitura critica das relações entre sociedade e natureza no caso da geografia, juntamente com seus educandos sem ter como objetivo a disputa por melhores notas na prova Brasil? Ou ainda como aliar compromisso com a criticidade e desempenho nos instrumentos avaliativos, tais como prova Brasil no ensino fundamental que esta atrelada ao IDEB?
    Helena Bonetto/Aluna UFRGS

    ResponderEliminar
  2. Muito interessante esta proposta de reflexão. Ao final do texto, o autor coloca que no cenário atual, desenha-se um contexto no qual a formação de professores será definida a partir de uma práxis que se constitui como reflexão da prática e não uma práxis no sentido gramsciano a qual, segundo Marques, é uma práxis reflexiva com sentido político. Entretanto, a política não é algo descolado do cotidiano, ou seja, não temos todas as ideias políticas a priori, mas as construímos e reconstruímos diversas vezes no encontro com o outro. Dessa forma, podem ser positivas as propostas que aumentam a quantidade de práticas vinculadas à docência, desde que estas não incorram em uma diminuição dos espaços reflexivos e de troca com outros professores em formação. Acho importante discutirmos e problematizarmos os impactos que as propostas políticas citadas pelo autor (BNCC e Escola Sem Partido) terão na formação docente, mas não é prudente, para negar políticas que se discorde, que se incorra na ação de pensar que antes destas políticas a formação de professores "estava bem". A educação, assim como a política, será eternamente um jogo de forças e não existe um ponto de chegada em que um dia será possível dizer "paramos por aqui". A constância da mudança, às vezes mais e outras menos acertadas, faz parte da política, faz parte da educação, faz parte da vida. Paula Lima Vanacor, estudante da UFRGS, 2019/1.

    ResponderEliminar
  3. De forma geral, o texto discute a formação de docentes face ao contexto atual brasileiro de novas políticas e leis que estão transformando o espaço escolar nos levando a pensar o que elas estão realmente demandando?
    O autor Roberto Marques evidencia declarações do ex ministro da educação Mendonça Filho sobre o programa de residência pedagógica as quais tem o intuito de mostrar que a formação de professores no Brasil é defasada e que o problema da educação brasileira é a falta de professores qualificados. Face a isso, pode-se pensar em qual significado de qualidade está se falando. A qualidade almejada nesse novo quadro brasileiro é aquela medida em números e estatísticas em que apresentam-se algarismos para a população. Para muitos dos que não compreendem o processo educativo, esses números refletem o aprendizado de um aluno (ou a qualidade da educação de um país) porém, sabemos que aprender é muito mais complexo do que uma nota. O que percebe-se é que as novas políticas e leis vão em direção a uma qualidade educacional pensada exclusivamente para o sistema produtivo, ou seja, são voltadas para o mercado de trabalho e isso reflete na formação de professores. Essas são as demandas pela “docência do século XXI” das quais trata o autor do texto.
    É possível concluir com a leitura, que para muitos dos nossos representantes políticos, o conhecimento válido é aquele que se pode apresentar em números e em aprovações em concursos o que acaba tornando os documentos e políticas públicas desconexas do cotidiano escolar e do cotidiano do aluno.
    Mariana Costa de Freitas - Aluna de Geografia da UFRGS

    ResponderEliminar
  4. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  5. O presente texto é de suma importância para pensarmos a educação e tentar entender onde de fato está o “erro”, se é na formação dos professores ou não. E quando o autor analisa as políticas públicas para educação é perceptível que o plano é conseguir alcançar a meta que tende a uma lógica produtiva . Esquecendo que a educação é um processo lento e árduo, sem se importar que precisamos de uma educação de qualidade. Contudo essa busca incansável por resultado acaba esmagando os professores e deixando sem saída nesse sistema fechado.No atual governo só vem piorando dia após dia.Tratando professores e alunos como objeto que precisam dar resultados e eliminando o ofício do ser docente.
    Evelyn da Silva Martins- Aluna de geografia UFRGS- Estágio Supervisionado em Geografia II-EDU02047

    ResponderEliminar
  6. A partir de uma breve apresentação da atual conjuntura social, cultural e política brasileira, o autor nos leva a refletir sobre a atual formação docente no Estado brasileiro. Com base em mudanças na estrutura educacional, apoiadas na construção de novas políticas públicas voltadas a educação, a construção do “ser” docente acaba sendo levada apenas ao patamar quantitativo, utilizando os aspectos estatístico para pautar a qualidade da educação nacional e consequentemente a eficácia e eficiência dos docentes brasileiros.

    Esse modelo estruturado, e que traz a população números e resultados estatísticos, não representam com autenticidade o preparo do docente, visto que a formar cidadãos com pensamentos críticos não passa necessariamente por “transferência” de conteúdos científicos.

    Além disso, nos faz pensar qual é o verdadeiro papel da educação e do professor, que é um dos agentes que estão na linha de frente do processo de aprendizagem.

    Sendo assim, após a vitória de uma direita conservadora, nosso país se vê em uma situação pouco otimista, projetos como o “escola sem partido” cerceiam os professores e interferem diretamente no processo de construção do licenciando e licenciado.

    O professor de Geografia atuando como um “cientista” que estuda as relações entre o ambiente e sociedade, também está sujeito, juntos aos demais, a essas limitações impostas pelo atual governo.

    Renan Vallejo – Licenciando em Geografia – Estágio supervisionado em Geografia II - UFRGS

    ResponderEliminar
  7. O texto traz um debate interessante sobre novas perspectivas na educação brasileira e como as políticas que as seguem podem influenciar na construção da identidade docente e no papel do professor. A partir de algumas provocações o autor cita a aparente preocupação de instituições como o MEC com a formação dos professores nas universidades, enxergando-a como um problema a ser enfrentado e uma das questões centrais da qualidade da educação brasileira. O principal ponto neste segmento do texto é a discussão sobre o direcionamento da escola para suprir os interesses de mercado, fazendo com que os conhecimentos válidos sejam aqueles tidos como úteis dentro de uma lógica neoliberal. Outro ponto extremamente relevante é trazido pelo texto através do exemplo dos cursos pré-vestibulares que incorporam à sua equipe de professores estudantes que estão cursando os primeiros semestres da faculdade para que estes possam ser formados livres de concepções “contaminadas” pelo curso. Isso mostra a desvalorização das licenciaturas, a falta de importância dada aos conhecimentos construídos a respeito da educação que são trabalhados durante os cursos de licenciatura. Em minha experiência como licenciando posso afirmar que sem o conhecimento desenvolvido nas aulas, principalmente naquelas com foco na disciplina de geografia, minha capacidade de atuar em sala de aula seria extremamente limitada; é durante os debates com os colegas e nos relatos dos professores que conseguimos ampliar nossa visão a respeito do papel do professor em sala, podendo construir aulas que fujam de estereótipos e que tenham o aluno como o personagem central.
    Lucca Cunha - Estudante de Geografia/UFRGS

    ResponderEliminar